Contra esta nova invasão holandesa, uma nova batalha dos Guararapes.

Os holandeses do Greenpeace Internacional, que tem sede no país que é uma síntese de agressão à natureza, acabam de promover uma nova invasão ao país. O navio Rainbow Warrior foi deslocado para a Amazônia, de onde exporta mentiras para o mundo contra o nosso país. O objetivo não é mais roubar diretamente o nosso ouro e o nosso açúcar, como nos tempos de Mauricio de Nassau. A meta dos invasores holandeses, que representam a Europa que sempre explorou os recursos naturais do Brasil, é impedir que façamos o uso soberano da nossa terra. Querem impedir a aprovação do novo Código Florestal, que liberta o Brasil do jugo do fundamentalismo ambientalista implantado por Marina Silva, a serviço de interesses internacionais dos mais sórdidos. Como sempre, eles mandam barcos. Antes foram as caravelas e as naus. Agora são modernos navios dotados de alta tecnologia, pagos pelo agonegócio europeu, que teme a concorrência do Brasil. Precisamos de uma nova Batalha dos Guararapes. Que ela seja travada sem sangue e sem violência. Que os "colonizadores" sejam expulsos pela democracia, exercida pelo Congresso Nacional. Não há mais lugar para este tipo de neocolonialismo. O Brasil vai resistir e vencer, mostrando ao mundo que este país é dos Patriotas, como há 363 anos.

18 comentários

A culpa é de quem deu tempo ao tempo para possibilitar esta e muitas outras invasóes , principalmente da eterna musa das florestas a servi$$$$$o dos intere$$es escusos dos seus patrocinadores.

Reply

interessante é que as 3 tribos retornam sempre- frança- inglaterra e holanda

e os petralhas são os cachorrinhos deles

a combinação é esta - dá dinheiro do seu povo para nós, e nós fingimos que não vemos as barbriaddes que vs vão cometer no seu país

Reply

Cel

Circulando na rede:

"Um desabafo de quem aparentemente não defende o meio ambiente

Na fila do supermercado, o caixa diz a uma senhora idosa:

- A senhora deveria trazer suas próprias sacolas para as compras, uma vez que sacos de plástico não são amigáveis ao meio ambiente.

A senhora pediu desculpas e disse:

- Não havia essa onda verde no meu tempo.

O empregado respondeu:

- Esse é exatamente o nosso problema hoje, minha senhora. Sua geração não se preocupou o suficiente com nosso meio ambiente.

- Você está certo – responde a velha senhora – nossa geração não se preocupou adequadamente com o meio ambiente. Naquela época, as garrafas de leite, garrafas de refrigerante e cerveja eram devolvidos à loja. A loja mandava de volta para a fábrica, onde eram lavadas e esterilizadas antes de cada reutilização, e eles, os fabricantes de bebidas, usavam as garrafas, umas tantas outras vezes. Realmente não nos preocupamos com o meio ambiente no nosso tempo. Subíamos as escadas, porque não havia escadas rolantes nas lojas e nos escritórios. Caminhamos até o comércio, ao invés de usar o nosso carro de 300 cavalos de potência a cada vez que precisamos ir a dois quarteirões.

E continuou o desabafo:

- Mas você está certo. Nós não nos preocupávamos com o meio ambiente. Até então, as fraldas de bebês eram lavadas, porque não havia fraldas descartáveis. Roupas secas: a secagem era feita por nós mesmos, não nestas máquinas bamboleantes de 220 volts. A energia solar e eólica é que realmente secavam nossas roupas. Os meninos pequenos usavam as roupas que tinham sido de seus irmãos mais velhos, e não roupas sempre novas. Mas é verdade: não havia preocupação com o meio ambiente, naqueles dias.

O caixa do supermercado ouvia, de queixo caído:

- Naquela época tínhamos somente uma TV ou rádio em casa, e não uma TV em cada quarto. E a TV tinha uma tela do tamanho de um lenço, não um telão do tamanho de um estádio; que depois será descartado como? Na cozinha, tínhamos que bater tudo com as mãos porque não havia máquinas elétricas, que fazem tudo por nós. Quando embalávamos algo um pouco frágil para o correio, usavamos jornal amassado para protegê-lo, não existia plástico bolha ou pellets de plástico que duram cinco séculos para começar a degradar.

O desabafo prosseguiu:

- Naqueles tempos não se usava um motor a gasolina apenas para cortar a grama, era utilizado um cortador de grama que exigia músculos. O exercício era extraordinário, e não se precisava ir a uma academia e usar esteiras que também funcionam a eletricidade. Mas você tem razão: não havia naquela época preocupação com o meio ambiente. Bebíamos diretamente da fonte, quando estávamos com sede, em vez de usar copos plásticos e garrafas pet que agora lotam os oceanos. E as canetas? Recarregávamos com tinta umas tantas vezes ao invés de comprar uma outra. Abandonamos as navalhas, ao invés de jogar fora todos os aparelhos ‘descartáveis’ e poluentes só porque a lâmina ficou sem corte.

E, por fim, disse a velha senhora:

- Naqueles dias, as pessoas tomavam o bonde ou ônibus e os meninos iam em suas bicicletas ou a pé para a escola, ao invés de usar a mãe como um serviço de táxi 24 horas. Tínhamos só uma tomada em cada quarto, e não um quadro de tomadas em cada parede para alimentar uma dúzia de aparelhos. E nós não precisávamos de um GPS para receber sinais de satélites a milhas de distância no espaço, só para encontrar a pizzaria mais próxima. Então, não é ridículo que a atual geração fale tanto em meio ambiente, mas não queira abrir mão de nada e não pense em viver um pouco como na minha época?"

É por isso que as pessoas mais velhas não têm muita paciência com os ecochatos ou ecóolatras.

Este texto saiu na rede e também na Tribuna da Imprensa.

Átila

Reply

Concordo com o anonimo acima e tem mais: continuaremos nos planos do "governo mundial" neocomunista, ou seja, meros fornecedores de matéria prima! Ou alguém tem dúvida ainda?

Reply

Essa bandidagem de políticos e quadrilhas que só pensam em sacanear o Brasil,precisa acabar, por isso a proposta de reforma do Congresso de 2012 precisa ser aprovada com urgência:


Lei de Reforma do Congresso de 2012 (emenda da Constituição do Brasil):

1. O congressista receberá salário somente durante o mandato. E não terá direito à aposentadoria diferenciada em decorrência do mandato.

2. O Congresso contribui para o INSS. Todo o fundo (passado, presente e futuro) atual no fundo de aposentadoria do Congresso passará para o regime do INSS imediatamente. O Congressista participa dos benefícios dentro do regime do INSS exatamente como todos os outros brasileiros. O fundo de aposentadoria não pode ser usado para qualquer outra finalidade.

3. O congressista deve pagar para seu plano de aposentadoria, assim como todos os brasileiros.

4. O Congresso deixa de votar seu próprio aumento de salário, que será objeto de plebiscito.

5. O congressista perde seu seguro atual de saúde e participa do mesmo sistema de saúde como o povo brasileiro.

6. O congressista está sujeito às mesmas leis que o povo brasileiro.

7. Servir no Congresso é uma honra, não uma carreira. Parlamentares devem servir os seus termos (não mais de 2), depois ir para casa e procurar emprego. Ex-congressista não pode ser um lobista.

8. Todos os votos serão obrigatoriamente abertos, permitindo que os eleitores fiscalizem o real desempenho dos congressistas.

Se cada pessoa repassar esta mensagem para um mínimo de vinte pessoas, em três dias a maioria das pessoas no Brasil receberá esta mensagem.

A hora para esta emenda na Constituição é AGORA.

Seria iimportante a sociedade fazer um movimento para que isso seja aprovado, assim como a população fez pressão e aprovou a Lei da Ficha Limpa.

Reply

A História sempre se repete.
E com fotos fantásticas como essa, não é Coronel?

Quem terá coragem de pô-los pra correr?
O governo central? Duvido o dó.

Lilyane

Reply

OFF

Relato de quem presenciou a baderna dos "movimentos sociais" contra o Clube Militar. Muito interessante...



http://www.averdadesufocada.com/index.php?option=com_content&task=view&id=6754&Itemid=100

Reply
Morena Flor mod

Bem, tem coisas no tempo dessa senhora q deveriam se tentar aplicar(ex, as garrafas devolvidas - ainda peguei isso aí, com os refrigerantes). Mas outras são impraticáveis. Como subir 6, 7, 10 lances de escadas sem um elevador ou escada rolante? loucura total(queria ver se ela conseguiria hj subir tudo isso de escada, a grande maioria dos velhinhos nunca conseguiria fazê-lo sem cansar)... Fora criança ir de bicicleta pra escola, sem algum acompanhante por perto, arriscadíssimo nos dias atuais, melhor mesmo é um transporte escolar, pegar ônibus(embora tal veículo não seja flor q se cheire) ou ir mesmo a pé, pra quem estuda mais perto, quanto às máquinas de lavar, a grande maioria das de hj já vem com secador, muitas vezes é preciso usar sim... É, nem tudo é tão simples qto se imagina, e certas soluçoes servem, outras, de forma alguma servirão pra nós... O melhor é usar com consciência as facilidades q temos hj pra cuidar do meio ambiente e de nós mesmos - e isto independe de partido político, ideológico, etc.

Reply

Coronel,
que os Holandeses queiram defender seus negócios, tudo bem. Agora, esses velhacos como a canalha da Marina Santa do Pau Oco, trabalhar descaradamente contra o Brasil aí já é demais. O interessante é que essa velhaca quer criar um novo partido indo nos estados que não é sua terra. Lá todos conhecem o mau caráter, melhor, a sem caráter que é.

Reply

É mesmo uma síntese, invasão a terra, mar e ar é a vida dos Países Baixos. Pontapé intelectual neles.

Viva Guararapes! Viva o Exército Brasileiro!

Reply

Tirem esse pessoal de nossas terras, enquanto ainda são!!!

Reply

Concordo com "quase tudo" que o sr postou; discordando "apenas" do "sem sangue, sem violência". Até a finada velhinha de Taubaté sabe que na base do "amor" essa raça não se emenda.

Reply

Coronel,

Eu queria ver estes corajosos subindo o Rio Missisipi(USA),com visto de turista, para fazer proselitismo político.

CADEIA E DEPORTAÇÃO!!!

Somos um bando de jeca tatus em um país de quinta!!! Pé na bunda é pouco!!!

JulioK

Reply

“A baderna em frente a “Casa da República”


01 de abril de 2012

Cel Aimar Baptista da Silva
Imortal da Academia Militar
Brasileira de Letras
Estratégicas

Santos/SP, 31 de Março de 2012
A primeira coisa de que me admirei, na baderna em frente ao Clube Militar, onde militares inativos comemoravam o 31 de Março de 1964, foi ver algumas dezenas de jovens, imberbes e imbecis, saracoteando pela Cinelândia e tentando impedir o ingresso dos participantes pelas duas entradas do Clube. Deveriam, isto sim, estar em suas escolas (se é que as têm!) aprendendo e fazendo alguma coisa de útil.
Esses jovens nem sabiam por que estavam ali, afrontando homens encanecidos e curtidos no serviço da Pátria.
Texto completo:
www.ternuma.com.br

Reply

Pois eu prefiro que mandem um míssil nesse barco e afundem-no em pleno amazonas. Do jeito que está só na bala mesmo. Não sou nada pacifista em se tratando dessa súcia.
Quem autorizou esses merdas a entrar no Brasil?

Reply

Eu não estava preocupado com essa manifestação orquestrada através da internet, porque esses ratos de esgoto não passam de poucas centenas. São pessoas com desvio mental, entorpecidas pelas drogas, amontoadas e escondidas atrás de ONGs de fachada, que estão doidas para terem uma segunda chance para implantar a ditadura terrorista no Brasil.

Reply

ACHO QUE VIERAM ATENDER ALGUM CONVITE, E DE MUITAS TRATATIVAS ...

Reply

..."quem autorizou esses merdas a entrar no Brasil?"...

Os mesmos que governam estepaís desde 2003: Os C.O.M.U.N.I.S.T.A.S., agora travestidos de democratas!!!

Reply